Minha lista de blogs

domingo, 21 de dezembro de 2014

A Volta do Vinil - Versão 33 1/3

Ok, ok... Sei que o assunto está na moda e que a internet está cheia de textos abordando o “mundo encantado dos discos de vinil” e sua atual redescoberta.
Mas aí eu te pergunto: Quantos desses textos foram escritos por alguém que tem alguns LPs, ou no mínimo conheça um pouco desse universo?

Pois é...
Foi justamente nesse ponto que pensei em falar um pouco, não somente sobre música, assunto que muito me apetece, mas também sobre equipamentos, tecnologia e alguns cuidados básicos para se tomar antes de se aventurar nesse mundo.


Alguns dos "prediletos da casa"


Então vamos lá!
Eis que um dia você acorda e sente aquela vontade incontrolável de colocar sua antiga coleção de discos para tocar. Ou... Nunca teve discos, mas como amante de música, decidiu se aventurar e formar uma coleção com seus artistas e álbuns prediletos nesse formato.

E agora, por onde começar?

Se você já possui um acervo, seja grande ou não, é preciso identificar as condições e estado de conservação nas quais se encontram atualmente. Pó, mofo, umidade, são alguns dos inimigos de um bom resultado sonoro, bem como de seu toca-discos e sua sensível agulha.

Por outro lado, se está começando a investir em discos agora, depende do que está a procura. Se no geral compra LPs novos, sejam nacionais ou importados, seus cuidados deverão ser , não somente, mas principalmente voltados à conservação.

Já, se não pode ver um sebo e encontrar aquele disco procurado pela bagatela de 5,00 reais faz mais sua cabeça, aí a coisa é um pouco mais complexa.

Cápsula Audio Technica AT440MLa + Headshell Ortofon
Existem no mercado inúmeros produtos de limpeza, bem como máquinas próprias para isso. Fora do Brasil a quantidade dessas máquinas é bem grande, mas as dificuldade de importação devido o tamanho, valor e a boa e velha burocracia tupiniquim na hora do desembaraço alfandegário, acabam inibindo quem pensa em se aventurar por esse caminho. No Brasil até onde tenho conhecimento, contamos apenas com a PHK. Nunca a testei, nem mesmo a vi pessoalmente, mas praticamente todos os usuários da máquina são, no geral, unânimes quanto a seus benefícios em relação a uma boa lavagem manual. O que me leva a crer que possa ser realmente algo interessante para se investir.

Temos também as escovas anti-estática. Confeccionadas com cerdas feitas de fibra de carbono, prometem não só limpeza, como a eliminação da eletricidade estática que se acumula nos discos. Causando além de ruídos na reprodução, a atração de partículas de poeira para a superfície dos discos.
Conheço usuários que condenam seu uso, mas em minha experiência vi mais benefícios do que malefícios. Depois que adquiri uma, nunca mais vi qualquer acúmulo de poeira na agulha. Ela não faz milagres e sinceramente se diminui a estática, no meu caso deve ser em pouquíssima escala, mas só pelo fato de manter a agulha razoavelmente limpa, valeu o investimento.

Cápsula Ortofon 2m Blue + Toca-Discos Thorens TD 190-2


E o toca-discos?

Em pleno ano de 2014, grandes e conhecidas marcas do seguimento de áudio mantêm em linha equipamentos que custam de poucos dólares, a fortunas que passam fácil do valor de automóveis de luxo.
Além desses "toca-discos", ainda existem opções de vitrolas com aparência de rádio-vitrolas vintage, mas que na realidade são equipamentos modernos, porém, sem o apelo da qualidade de hora da reprodução. Por isso é interessante colocar na balança quanto deseja gastar e que caminho quer seguir: Se prefere uma vitrolinha "da moda" em sua estante, onde a aparência é o que importa, ou se busca qualidade e fidelidade na reprodução dos LPs. Afinal, com o preço de uma dessas, muitas vezes compra-se um toca-discos novo ou usado que trará performance muito mais séria do que as vitrolas.

Audio Technica AT LP1240
Dentre os sistemas mais conhecidos de acionamento, os principais, ou mais populares, dividem-se basicamente em dois tipos: Os de correia e os direct drive (ou DD). Existem também outros, como transmissão por polias, mas esses são atualmente pouco difundidos.
Ambos possuem seus defensores e têm características e vantagens próprias.
Os defensores dos de correia, apontam o baixo ruído de fundo como um de seus principais trunfos. Enquanto a precisão dos "DD" sempre foi sua marca registrada. Porém ambos evoluíram e como já tive os dois sistemas ao longo de muitos e muitos anos de audições, acredito que a diferença de qualidade está além do que apenas o conjunto de transmissão ‘motor – prato’.

Além de todas as questões técnicas que podem fazer diferença nos toca-discos, não podemos nos esquecer do conjunto ‘cápsula – agulha’, que em MINHA opinião, acaba fazendo muita, mas muita diferença no resultado final, deixando "impressa" sua assinatura sônica na hora da reprodução.

Os tipos mais comuns de cápsulas são as MM (Moving Magnetic) e as MC (Moving Coil). Não vou entrar em questões técnicas, pois não é a intenção desse post. Mas se tiver qualquer dúvida relacionada a esse ou qualquer outro assunto relativo a Áudio, basta entrar em contato pelo email no final do post, ou deixar sua dúvida nos comentários.

Bom... Agora você já colocou o sistema pra funcionar e quer aumentar a coleção.

Glen Hansard - Drive All Night


Fora do Brasil são inúmeras as opções de compras em grandes ou pequenas lojas. Basta um cartão de crédito internacional e boa dose de paciência para começar a comprar.

Sites como eBay e Discogs tem milhares de opções e uma variedade ainda maior de preços.  O segundo é bem bacana, pois é voltado para o comércio de mídias de música, o que o torna uma opção interessantíssima para encontrar aquele título ou edição especial limitada. A questão é sempre ficar atento a classificação do vendedor, bem como no estado de conservação do disco e é claro em seu preço.
Comprar em lojas conhecidas, como Amazon por exemplo, também é interessante, pois além da rapidez no envio, o serviço de pós-venda sempre é eficiente. Seja para tirar dúvidas, para troca de discos defeituosos, ou até o caso de extravio de encomendas.

E não se esqueça dos impostos de importação, que legalmente devem, e, muitas vezes são aplicados às compras internacionais.

The National - High Violet (Edição Limitada)
Enquanto isso no Brasil o número de lojas é bem menor, bem como a disponibilidade de títulos. Algumas grandes lojas online e físicas aderiram à volta do vinil e disponibilizaram títulos em seu catálogo, mas os preços nem sempre são convidativos.
Outra opção são os vendedores e lojas no Mercado Livre. Mas para uma compra segura, é imprescindível cuidado e pesquisa em relação ao vendedor.

Locais como as galerias do centro de São Paulo, como o shopping “Grandes Galerias” (Galeria do Rock) e a Galeria Nova Barão, são interessantes opções para compra e pesquisa, com a vantagem de voltar para casa com o disco embaixo do braço. Mas cabe nesse caso, procurar com muita calma, pois a diferença de preços entre lojas chega a mais de 100% em alguns casos.

A verdade é que o vinil sempre esteve entre nós e nunca deixou de ocupar espaço, mesmo que pequeno, nas prateleiras dos colecionadores.

Difícil imaginar o que acontecerá daqui um tempo quando esse boom passar. Mas para quem realmente gosta de colecionar itens relacionados à música, nada melhor do que um “bom e sempre jovem” disco de vinil.

Agora é apertar o play (ou o start) e curtir boa música.


Tem dúvidas ou sugestões?
Comente no Blog ou escreva para wilton.bjr@gmail.com


Todo o conteúdo © 2014 Wilton B. Junior - Direitos reservados.
Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização.

_________________________________________________________________________

WILTON é casado com Tatiana e pai de Carolina e do cão Floyd.
Divide seu tempo livre entre a família, seus discos de vinil e seu violão.
Escrever é um de seus hobbies. Mas junto com a música, sem dúvida essa é uma das maneiras mais sinceras de dividir com o mundo, o mundo que o habita.

2 comentários: